Por: Clícia Marinho
27/10/2018 - 23:56:55

A Doença pode apresentar sinais na criança até os 6 anos de idade

Eunápolis, outubro de 2018 – Apesar de ser uma doença rara e pouco conhecida, o retinoblastoma é um tipo de tumor ocular maligno que se origina na retina, ocorrendo na maioria dos casos na infância. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, a cada 20 mil crianças nascidas, uma é acometida pela doença. Em grande parte dos casos o diagnóstico é feito abaixo dos 4 anos de idade ou, com menor frequência, até os 6 anos não apresentando predisposição para sexo ou raça.

O desconhecimento se torna um fator negativo para o diagnóstico precoce, como explica Laura Yamagata, oftalmologista especialista em retina da DayHORC – empresa que compõe o grupo Opty em Eunápolis. “O retinoblastoma corresponde de 2 a 4% dos tumores malignos oculares mais frequente na infância. Porém, ainda se fala pouco sobre doenças oculares em crianças. Além disso, há outro desafio: o retinoblastoma, em princípio, apresenta pouco ou nenhum sintoma. Dessa forma, o desconhecimento sobre a doença, possíveis sinais e sintomas acabam retardando o diagnóstico”, explicou. 


Pais ou responsáveis são os principais colaboradores para a descoberta da doença em seu estágio inicial. Entre os principais sinais de alerta estão a leucocoria, que forma um reflexo branco na pupila, muitas vezes só percebido em fotografias ou sob a luz natural; e o estrabismo, que consiste no desalinhamento dos olhos. Outros sintomas da doença menos comuns são a vermelhidão na parte branca do olho, sangramento no olho, cor diferente em cada olho da criança, não contração da pupila quando exposta à luz e a proptose, que é o deslocamento do olho para frente.

 

Para a especialista em retina, a doença pode ser classificada como esporádica ou hereditária. “O retinoblastoma na forma esporádica é unilateral, afeta apenas um olho e corresponde de 60% a 70 % dos casos. Na forma hereditária, pode ter o comprometimento de um ou de ambos os olhos, correspondendo de 30% a 40% dos registros da doença”. O retinoblastoma não é adquirido, a criança já nasce com disposição à doença, por isso a importância do Teste do Olhinho logo nos primeiros dias de vida e acompanhamento oftalmológico regularmente.

Os avanços na forma de diagnosticar a doença e tratamento evoluíram muito nos últimos anos, aumentando os índices de cura e preservação da visão da criança. “O tratamento do retinoblastoma depende da extensão do tumor, se está apenas dentro do olho (intraocular), atingindo o nervo óptico ou mácula, ou se acomete ambos os olhos, apresentando metástases ou não. Quanto mais cedo esse diagnóstico é fechado, menos agressivo, e os resultados são melhores. A sobrevida para pacientes com retinoblastoma tem melhorado muito nos últimos anos, devido às opções terapêuticas aliadas ao diagnóstico precoce”, finalizou a especialista do Grupo Opty.

                                                       Sobre o Opty

 

Anteriormente chamado de Hospital de Olhos do Brasil (HOBrasil), o Grupo Opty nasceu em abril de 2016 a partir da união de médicos oftalmologistas e do fundo de investimento Pátria, dando origem a um negócio pioneiro no setor oftalmológico do Brasil. O grupo aplica um novo modelo de gestão associativa que permite ampliar o poder de negociação, o ganho em escala e o acesso às tecnologias de alto custo, preservando a execução da oftalmologia humanizada e oferecendo tratamentos e serviços de última geração em diferentes regiões do País. No formato, o médico mantém sua participação nas decisões estratégicas, mantendo o foco no exercício da medicina

Atualmente, o Grupo Opty é o maior grupo de oftalmologia da América Latina, agregando oito empresas oftalmológicas, 1400 colaboradores e 400 médicos oftalmologistas. O Instituto de Olhos Freitas (BA), o DayHORC (BA), o Instituto de Olhos Villas (BA), o Hospital Oftalmológico de Brasília, o Grupo INOB (DF), o Hospital de Olhos Santa Luzia (AL), o Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem (SC) e o HCLOE (SP) fazem parte dos associados, resultando em 19 unidades de atendimento.


Enquete

Você é a favor ou contra o fim da Carteira de Trabalho?




VOTAR PARCIAL