Por: José Orlando Gomes
11/12/2018 - 21:48:51

Jogador do Flamengo e da Seleção Brasileira, craque faleceu aos 22 anos de idade antes que o mundo pudesse conhecer a sua genialidade.                                                   

Geraldo Cleofas Dias Alves nasceu na cidade mineira de Barão de Cocais, a 16 de abril de 1954. O estilo de Geraldo parecia definitivamente condenado no chamado futebol moderno – o cuidadoso trato com a bola, em lugar do passe de primeira, a elegância em vez da velocidade, a paciência para encontrar o caminho em prejuízo da agressividade.

O Brasil sempre foi um berço de craques, a todo tempo nasce um menino com talento indiscutível para o futebol em solo brasileiro. Alguns chegam a se profissionalizar, outros trilham caminhos diferentes do mundo da bola.

Mas nenhum dos dois casos foi o caso de Geraldo, apontado por muitos como a maior revelação do Flamengo nos anos 70. É isso mesmo, nos anos 70 quando Zico e a geração que viria a conquistar tudo na década de 80 apareceram no cenário do futebol.

Há exatos quarenta e dois anos, no dia 26 de Agosto de 1976 o Brasil perdia uma de suas maiores jóias. Aos 22 anos, quando se internou para fazer uma cirurgia de retirada de amígdalas, algo comum na época, Geraldo sofreu um choque anafilático e veio a falecer deixando o futebol brasileiro estarrecido.

Detalhe para a insistência do menino em não realizar a cirurgia, Geraldo demorou mais de um ano para poder aceitar a realização  do procedimento cirúrgico. Ele chegou a fugir do hospital em duas oportunidades.

Geraldo chegou ao Flamengo no início da década de 70 através de seu irmão, o zagueiro Washington, para se juntar a "geração de ouro" rubro-negra ainda nas categorias de base.

Habilidoso e dono de uma drible desconcertante, Geraldo não demorou para encantar a todos no clube. Era conhecido pelo seu excepcional controle de bola, visão de jogo e o futebol alegre, o meia jogava cantarolando e por isso o apelido de "assoviador".

Dono da camisa 8, Geraldo dividia as responsabilidades com Zico. Os dois tinham uma grande amizade ao ponto do pai do Galinho chamar de Geraldo filho, a dupla cresceu junta nas divisões de base do clube rubro-negro e formavam o meio-campo mais promissor da época. Em 1974, o Flamengo entrou no campeonato carioca recheado de jovens, por isso não era apontado como um dos favoritos ao título.

Mas graças ao futebol de Geraldo e companhia o time rubro-negro que era comandado pelo técnico Joubert foi campeão diante do Vasco sob os olhares de 165 mil pessoas no Maracanã. 

As grandes exibições no Maracanã lhe renderam uma vaga na Seleção Brasileira. Em um time que tinha Zico, Júnior, Jayme entre outros, Geraldo foi o único jogador do Flamengo convocado para a Copa do América de 1975 e era considerado uma das maiores promessas para a Copa de 78, na Argentina.

O futebol estava no DNA do meia, de nove filhos de Dona Nilza (mãe de Geraldo) cinco se tornaram jogadores, mas Geraldo era o mais talentoso deles. A família seguiu servindo ao futebol e hoje é representada por Bruno Alves, zagueiro do Cagliari e da Seleção Portuguesa. Bruno é filho do ex-zagueiro Washington (irmão de Geraldo).

Depois da tragédia, Geraldo foi homenageado no Maracanã num amistoso entre Flamengo e a Seleção Brasileira, o duelo que ficou marcado pelo encontro de Zico e Pelé em lados opostos. Outros jogadores como Rivellino, Adílio, Paulo Cesar Caju, Carlos Alberto Torres entre outros grandes nomes disputaram a partida. Na ocasião, o Rubro-Negro venceu por 2 a 0 e toda a renda foi doada à família de Geraldo.

Alguns dizem que Geraldo poderia ter mostrado ao mundo tanto ou até mais do que Zico mostrou, mas infelizmente sobre isso ninguém nunca saberá, ele morreu antes que sua genialidade fosse mostrada ao mundo. Fica na memória os bons momentos proporcionados por aquele menino habilidoso, polêmico e irreverente que exibia o seu talento nas tardes de domingo no Maracanã.



Por: José Orlandoatlanticanews
31/10/2018 - 22:50:35

Em Eunápolis, situado no extremo sul da Bahia, desde 1980, surgiram vários times de futebol amador e que muitas saudades nos deixaram. 

Dentre eles, os mais importantes e que fizeram história no amadorismo Eunapolitano, foram: Clube Regatas Flamengo dos saudosos João preto e Dr. Tércio; Brasil do saudoso Valdomiro; Malacarne de seu Ailton; Ypiranga de seu Apolinário; Modelo de Arildo Maia; James Wright do saudoso Jairo Pereira; Urbis; Supermercado Pague Menos; dentre outros. 

Apresentamos aqui, o time do Flamenguinho capitaneado pelo saudoso desportista Dr. Tércio Pereira, jogadores que fizeram nome na no campeonato amador de Eunápolis.  

EM PÉ - MILTON CÉSAR, PORROLA, ITAMAR (GOLEIRO), AGUINELO, NAL E ANTHERO.

AGACHADOS – ERALDO, GILMAR, ARTUR NUNES, FABRICIO BIZERRÃO, E PEDRO.



Por: Uol esporte
11/10/2018 - 00:50:15

Nascido na Argentina, mas naturalizado italiano, o centroavante passou por times de expressão, como Porto, Juventus, Roma e Inter de Milão, e disputou 14 partidas pela seleção azzurra. Em 2016, depois de voltar para a Argentina e ... - Veja mais em https://blogdorafaelreis.blogosfera.uol.com.br/2018/03/18/6-jogadores-que-deixaram-o-futebol-cedo-porque-cansaram-da-vida-de-atleta/?cmpid=copiaecola



PUBLICIDADE


Por: Uol esporte
26/09/2018 - 23:09:09

Um dos atacantes mais temidos do futebol mundial na década passada, fez sucesso com a camisa da Inter de Milão, ganhou o apelido “Imperador” e disputou a Copa do Mundo de 2006. Com problemas de comportamento, dificuldade dificuldade para se manter no peso e desmotivado para seguir à risca a cartilha de compromissos de um jogador profissional contemporâneo, entrou em declínio técnico precoce. Apesar de jamais ter anunciado oficialmente sua aposentadoria, Adriano não tem uma rotina de jogos desde 2012, quando deixou o Corinthians. Ele ainda passou por Atlético-PR e Miami United, mas praticamente não entrou em campo..



Por: Redação Atlântica News
11/09/2018 - 13:38:54

Morre o empresário e jogador Fernando Aguiar


O jogador e empresário   Fernando Aguiar, 54 anos, sócio da concessionária Bavel Itabuna, morreu após um AVC. A família confirmou a morte dele na tarde do dia (08)

Ele fazia parte do time Master do São Caetano, domingo (02) no jogo de confraternização  de Gilmar Pinho ele jogou e depois participou da festa .

O sepultamento aconteceu na manhã deste domingo (09). O corpo foi velado no SAF.
Aguiar era casado com a delegada Ana Paula Fontes, deixa dois filhos.

Os colegas estão muito triste com a sua morte.



Por: Futebol Internacional
31/07/2018 - 20:33:00

Após 17 anos de carreira, o zagueiro Martin Demichelis anunciou sua aposentadoria do futebol . O argentino passou por times como Bayern de Munique e Manchester City, e estava no Málaga. Com o adeus, o argentino vai engrossar a lista de grandes nomes da bola que se retiraram recentemente, como os ingleses Lampard, Gerrard, o argentino Riquelme e o brasileiro Rogério Ceni. Veja na galeria acima nomes da bola que se aposentaram nos últimos dois anos.



PUBLICIDADE


Por: José Orlando atlanticanews
10/05/2018 - 22:53:45

Val Baia como é conhecido foi um dos grandes artilheiros do futebol Eunapolitano e da região nos anos 80 e 90.

al, hoje com 52 anos, nascido na cidade de Eunápolis em 01 de  abril de 1966. Foi um dos grandes matadores do futebol Eunapolitano. Envergou por muito tempo a camisa do Modelo e da seleção Eunapolitana, fazendo história. Nessa homenagem destaco as principais características desse atacante, que era a garra e determinação na busca pelo gol. Um centro-avante sempre presente na área tinha uma cabeçada certeira, que mais parecia um tiro, batia muito bem tanto com a perna direita e a esquerda, sem contar que tinha uma extrema habilidade quando estava de posse da bola. 



Por: José Orlando
28/03/2018 - 00:48:23

A coluna dessa semana lembra a excelente campanha do Eunápolis Esporte Clube, que Disputou  o Campeonato Baiano da Segunda Divisão em 1994 conquistando  o vice-campeonato baiano daquele ano, fazendo a final em seus domínios no estádio Itamarzão lotado, com o Conquista  Futebol Clube. Na primeira partida da final, Conquista  3 Eunápolis 1, já na segunda partida, o time do Eunápolis precisava só vencer por qualquer placar pra conquista o título, já que, o Tigrão tinha a melhor campanha do certame, com 21 pontos contra 18 do Conquista. Mas não saiu do empate em seus domínios, perdendo a  chance de ganhar o título.  Mas mesmo assim garantiu o acesso para a 1ª Divisão, à qual disputou até 1998 quando foi rebaixado.

O Time do Eunápolis que enfrentou o Conquista  Futebol Clube naquela final foi:

Ado (goleiro) Nazaré (Carlinhos) Aguinoel, Normando e Cafú;  Cosme, Rocha e Gilton; Alexandre, Dadico e Rubem (Nei) Técnico Soares Barbosa (Bico de Pato)

Conquista  Futebol Clube:  Ivo, Denilson, Issa, Djalma e Camilo; Dequinha (Jorginho) Lima e Herbert; Pena, Kel e Hélber. Técnico Elias Borges

Alguns jogadores do Eunápolis daquela época:

Marcelo Jorge – Goleiro Ado (in memorian) – Dadico- Aguinoel – Soares Barbosa  (Bico de Pato) Treinador.



Por: José Orlandoatlanticanews
10/01/2018 - 23:49:48

A coluna dessa semana homenageia Edney Alves Dos Santos, ou simplesmente Dinei, um dos grandes craques da nossa região. 

 

Dinei como é conhecido no meio futebolístico da região era um cabeça-de-área com uma fantástica habilidade dentro de campo. Tinha a capacidade  de marcar e sair pro jogo, percorria todas as faixas do campo criando jogadas, e com extrema habilidade  ligava o meio campo ao ataque

.

Edney Alves Dos Santos nascido na cidade de Eunápolis em 27 de junho de 1964. Com apenas 16 anos vestiu pela primeira vez a camisa da seleção de Eunápolis, Dinei   

Jogou pelo Flamenguinho de seu João Preto (In memorian) por 03 anos, depois veio o Modelo de Arildo Maia, onde jogou por vários anos, e por último no Brasil do finado Waldomiro. Dinei ainda tentou o profissional, fez teste no americano de Campos por duas vezes, ficou seis meses em Campos/RJ fazendo testes, mas acabou não ficando no clube por motivos pessoais.



PUBLICIDADE


Por: José Orlandoatlanticanews
14/12/2017 - 01:02:43

 Muito raro encontrar no futebol moderno de hoje um zagueiro que conduzia a bola ao ataque com a mesma qualidade de Sandoval Alves Santos, o Sandoval, quarto zagueiro de um talento irretocável. 

 Sandoval nasceu no dia 27 de dezembro de 1953 em Eunápolis, começou como amador nos times de Eunápolis e, jogou no James Wright seu primeiro time, Juventus de Mário Alfaiate, América de Nilton (in memorian) da Malusi, Marabá, Brasil, e Flamenguinho de João Preto (in memorian), jogava com uma tremenda facilidade, segundo eles nos conta, no futebol amador atuou em quase todas as posições dentro de campo, mas se fixou como quarto zagueiro e marcou os melhores atacantes da região.      Se tornou profissional no ano de 1978 pelo Itabuna Esporte Clube, por lá ficou por 4 anos,  no I.E.C no ano de 1980, ao lado de Gerson Sodré, Beca, Reginaldo, Tarantini, Heleno, Roberto Boi, Ademir, Piu,  Luiz Carlos Molon, Carlinhos Mocotó, Formigão e Tatá. Formou um dos melhores times que o Itabuna já teve, nesse ano o centroavante Beca, foi o artilheiro do baianão com 24 gols, e o melhor quarto zagueiro apontado pelo Correio da Bahia foi Sandoval e no jornal da Bahia escolheu Sapatão do Bahia, como ele nos conta.  

Times que atuou na Bahia, além do Itabuna, Fluminense de Feira 2 anos, Galícia, Leônico. No Maranhão atuou no Moto Club, e foi nesse clube, que ele relembra um dos maiores momentos da sua carreira ao empatar em 1 a 1 em pleno Maracanã lotado com o super time do Flamengo que tinha Raul, Figueiredo (in memorian) Leandro, Marinho, Júnior, Andrade, Júlio César, Zico, Vítor, Edson, Robertinho e Baltazar. Ele nos conta que o perigoso centroavante Baltazar, não andou em campo nesse dia, com sua marcação precisa. Sandoval jogou em Sergipe, onde encerrou sua carreira futebolística no Itabaina de Sergipe.