Por: BN Mulher
10/05/2018 - 02:53:57

A maternidade costuma ser um momento muito delicado para mulher.  Além da mudança da rotina, as condições físicas e emocionais da mulher se modificam ainda mais com a gestação. Com o passar do tempo, muitas mães sentem que algo não está como antes, gerando desânimo, apatia, tristeza profunda e sentimento de culpa. Essas características podem ser indícios de depressão pós-parto, segundo a psicóloga Silvia Sueli Maia.

A depressão pós-parto (DPP) é um transtorno de humor que pode afetar as mulheres após o nascimento do bebê. De acordo com um levantamento mundial, no Brasil, cerca de 40% desenvolvem depressão, sendo que 10% apresentam a forma mais severa da doença.

A recomendação é que as mulheres que vivenciam esse tipo de transtorno façam psicoterapia e sejam acompanhadas pelo médico. Pois aquelas que desenvolvem depressão pós-parto possuem maior risco de desenvolver depressão em outro momento da vida.

A doença pode causar muita culpa na mulher e o julgamento das pessoas pode agravar o quadro. A psicóloga conta que mesmo sem culpa alguma, as mulheres costumam se sentir responsáveis pelo afastamento dos seus filhos causado pela depressão pós-parto, com descompensações psíquicas e tentativas frustrantes de atenuar as ações do transtorno.

A depressão pós-parto pode ser evitada através dos cuidados e apoios que podem ser oferecidos à gestante. O psicólogo José Pereira Simão recomenda que a criação de projetos é essencial, como programas preventivos de saúde pública com a finalidade de identificar a sintomatologia do quadro. Ele sugere que se ofereçam às grávidas terapias, grupos de discussão, orientação médica e programas alternativos de tratamento como acupuntura, massagem e relaxamento. Essas práticas são apontadas por pesquisadores como minimizadoras do sofrimento causado pela depressão pós-parto. Para prevenir esse transtorno é necessário identificar fatores de risco como depressão anterior, conflitos conjugais, ausência de suporte social, ou seja, falta de apoio do pai da criança ou de familiares durante a gestação tendo sido ela planejada ou não.

 


Enquete

Para você, vale a pena colocar a vida em risco em nome de um ideal?




VOTAR PARCIAL