Por: Época Negócios
12/08/2017 - 10:31:03

As mulheres ultrapassaram os homens na criação de novas empresas, mas ainda estão em parcela menor da população quando se trata de negócios estabelecidos há mais tempo e têm faturamento menor.

A chamada taxa de empreendedorismo entre as mulheres — parcela frente ao total da população adulta, entre 18 e 64 anos — é de 15,4% para os novos empreendimentos, com menos de 3,5 anos de existência, enquanto para os homens é de 12,6%.

Entre os negócios mais antigos, com mais de 3,5 anos, a taxa feminina é menor, de 14,3%, frente a 19,6% dos homens.

Os dados são da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada no país pelo Sebrae, em parceria com Instituto Brasileiro Qualidade e Produtividade (IBQP), Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Fundação Getúlio Vargas e Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Outro aspecto que mostra a ainda desigualdade entre homens e mulheres é a renda. Quase três quartos (73,4%) das mulheres empreendedoras ganha até três salários mínimos, enquanto entre os homens essa parcela é menor: 59,3%.

Três quartos das mulheres (72%) também operam negócios com faturamento até R$ 24 mil por ano (ou R$ 2 mil por mês), enquanto entre homens a fatia é menor, de 53%.

 Elas também empregam menos que os homens: 85% das empreendedoras não tem nenhum empregado atualmente, contra 66% dos homens.

“Portanto, as empreendedoras trabalham com menos empregados, faturamento mais modesto e expectativas mais modestas de criação de novos empregos. Em parte, este perfil mais modesto se deve à forte presença de mulheres que trabalham por conta própria, no grupo das mulheres empreendedoras”, aponta o documento.

Mais necessidade que oportunidade – A necessidade é apontada de forma mais frequente como a principal razão para a abertura de empresas entre as mulheres que entre homens. Entre as novas empresárias, 48% delas o fazem porque precisam, enquanto entre homens esse percentual é de 37%.

Na avaliação do presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, “esse movimento de entrada de mulheres na atividade empreendedora pode ser explicado pela necessidade delas de complementarem a renda familiar”.

 


Enquete

Governo Temer decidiu que trabalho análogo à escravidão é apenas aquele que tenha restrição de locomoção do trabalhador. Você:




VOTAR PARCIAL