Por: AtlanticaNews
29/10/2019 - 19:30:48

Estamos chegando ao final dos anos 2019 e entrando em 2020, o qual promete ser um ano com ainda mais avanços. Ao longo da história muitas pessoas lutaram para quebrar os mais variados tipos de preconceitos. Hoje em dia com as redes sociais ficou muito mais fácil expor histórias de preconceitos e lutar contra eles. As marcas perceberam o quanto as pessoas estão mais engajadas para fazer com que a diversidade seja o padrão, diferentemente do passado, quando apenas um modelo de aparência e de comportamento era socialmente aceitável e tudo o que não entrava na norma era marginalizado. Dessa maneira há muitas marcas que estão lutando contra o preconceito e selecionamos cinco delas para exemplificar como as suas ações estão mudando a história:

1.Victoria´s Secret: combatendo a transfobia

A empresa americana tomou duas atitudes contra o preconceito em relação às pessoas transgêneros. Ela não só demitiu o seu antigo diretor criativo, o qual disse para a revista Vogue que nunca iria colocar uma modelo transgênero para desfilar em sua passarela, como também contratou a brasileira Valentina Sampaio de 22 anos para ser a primeira modelo transgênero a desfilar para a marca.

2.Johnson's: apoiando a quebra de preconceitos contra à Síndrome de Down

Em 2017, pela primeira vez a marca Johnson's teve como foco central em sua propaganda um bebê com síndrome de Down. Esta foi uma ação para o mercado brasileiro e viralizou na internet, mostrando a importância da inclusão dos bebê com deficiências que são em muitos casos ignorados pela mídia.

3.FIFA contra à discriminação racial

Um dos maiores problemas dentro do futebol brasileiro é a discriminação racial. São vários os casos em que os jogadores negros foram chamados de macacos e muitos outros nomes pejorativos. Agora a FIFA está em parceria com o Observatório da Discriminação Racial e alguns clubes vão levar nas suas camisas símbolos contra o racismo. A organização percebeu a importância de apoiar os seus jogadores e mobilizar os clubes sobre os acontecimentos em campos.

4.Airbnb e UBER contra o preconceito na era digital

Essas duas marcas estão tentando ao máximo lutar contra o preconceito na era digital, através de canais abertos de comunicações nas redes sociais como também severas punições para usuários dos seus serviços. Leia mais sobre as ações delas.

5.Winnie Harlow e luta contra o preconceito à vitiligo

Todas as marcas que apresentam a modelo canadense de 25 anos Winnie Harlow estão lutando contra o preconceito à doença de pele que leva a despigmentação chamada Vitiligo. Winnie ganhou fama em 2014 e hoje é uma modelo famosa internacionalmente como também uma das Victoria´s Secret Angels. Ela sofreu muito preconceito na escola, o que levou com que até mesmo parasse de estudar. Hoje ela luta pela sua causa.

Por fim, um exemplo que tentou lutar contra o preconceito, mas que utilizou do preconceito para fazer isso foi a marca brasileira Reserva na sua campanha chamada Faça como os animais, não julgue, nela alguns dos principais preconceitos brasileiros foram abordados, chamar uma pessoa gorda de baleia, uma pessoa negra de macaco, um homem gay de viado e uma mulher de galinha. A campanha teve comentários tanto positivos como negativos.


Enquete

O que você acha da decisão do STF em que volta atrás sobre prisão em 2ª instância?






VOTAR PARCIAL